Como funciona?


Responda as perguntas diariamente, são 365 perguntas. Quando voltar ao dia 1º do próximo ano, volte ao post correspondente do ano anterior e acrescente uma nova resposta à mesma pergunta. O sistema é interessante para comparar nossa evolução, nossos momentos. Ao final do projeto cada pergunta terá cinco respostas diferentes, correspondentes à cada ano.



sábado, 7 de janeiro de 2017

#7/365


7 - As pessoas podem mudar?

2017: continuo com as opiniões anteriores: mudam, por acúmulo de experiências e amadurecimento; mudam, mas só se quiserem mudar; a essência continua a mesma, por mais que se tente sufocá-la.

2016: Concordo com o ponto de vista anterior, rsrsrs, filosofei, hein? Acrescento que a melhor mudança que podemos sentir é perceber que não precisamos mudar (claro, dentro do melhor que pudermos ser), rsrsrs, quero dizer... que devemos ser nós mesmos, que só assim podemos ser plenamente felizes, quando desde criança nos fizeram acreditar no contrário, nos fizeram acreditar que deveríamos ser uma mentira. Ninguém é genuinamente feliz sendo algo que não é.

2015: As pessoas mudam. #fato. Acumulamos experiências e sentimentos que vão nos transformando ao longo do tempo, porém continuarmos os mesmos em essência. Por vontade própria... sim, acredito que as pessoas podem mudar, tanto para melhor como para pior, visto que grande parte do que pensamos ou sentimos é produto também do que alimentamos. Podem mudar por influência de terceiros? Sim... mas em geral essas são as mudanças que produzem menos satisfação pessoal. [lembrei-me do escrito sensível de um amigo que fez um poema: "sempre havia alguém reinventando o amor - só por ele é que se muda". quando escreveu esclareceu que foi sob o ponto de vista das perspectivas, dos sonhos e alegria de viver.]

Valeu por hoje... conseguir terminar a organização de documentos para um concurso (ufa! deu um trabalhão) e retorno de viagem da filha. <3

Um comentário:

  1. Oi Vane, achei tua resposta bem parecida com a minha.
    A essência não muda, ela pode ser "sufocada" e daí vem o que as pessoas costumam chamar de "mudança".
    Conheci um cara que se diz "ex-travesti". Ou ele foi uma travesti ou nunca. Mas não acredito que um homem cisgênero teria conseguido ser uma travesti somente por "uma fase". Sou cristã, mas não creio de forma alguma na cura gay, só mesmo se acontecesse uma coisa milagrosa e creio que Deus não se importe com esse tipo de milagre, com tanta coisa mais séria com que se ocupar, Ele não é o que atira a primeira pedra. Eu sempre levo isso comigo.
    Por isso acredito, a essência feminina ainda está viva naquela pessoa, mas quem a olha, acha que "mudou", que "passou por uma fase".
    O amor não muda. Ou a pessoa tem ou não tem. Ela pode "se esforçar" a amar (sei do que estou falando) porém, se for uma pessoa arromântica em sua essência, difícil seguir os padrões.
    Aliás, tudo tão padronizado é algo que não entra em minha cabeça e quando comecei a desafiar padrões, minha vida passou por uma metamorfose absurda e necessária, que talvez, você nem acreditaria se nos encontrássemos um dia e eu lhe contasse a minha história. rs.
    Beijos colega.

    ResponderExcluir